• Nenhum item no carrinho

Madalena Schwartz: as metamorfoses
Madalena Schwartz: as metamorfoses

Madalena Schwartz: as metamorfoses

Artista: Madalena Schwartz
Organização: Samuel Titan Jr., Gonzalo Aguilar

Fazia pouco tempo que Madalena Schwartz se dedicava à fotografia quando, a partir de 1971, se lançou à aventura estética e humana de retratar o universo de travestis e transformistas que florescia na noite paulistana — em plena ditadura militar. Desse mergulho resultou um dos grandes ensaios da artista nascida em Budapeste, em 1921, que veio a se tornar um dos grandes nomes da fotografia brasileira das décadas de 1970 e 1980. Madalena Schwartz interessou-se em pé de igualdade pelas pessoas que fotografou, das figuras já célebres às estrelas quase anônimas, de brilho breve e intenso, que orbitavam pelo centro de São Paulo. A seleção reunida em As metamorfoses dá testemunho da tremenda energia que se produzia no encontro de vidas e corpos fulgurantes com uma fotógrafa de espírito curioso e independente. Completa este volume um panorama da produção latino-americana sobre o mesmo tema durante aqueles mesmos anos de chumbo em todo o continente, com obras de Paz Errázuriz, Estúdio Luisita, Leandro Katz, Hélio Oiticica, Sergio Zevallos, Vasco Szinetar, Adolfo Patiño, Armando Cristeto e imagens do Arquivo Quiwa e do Arquivo da Memória Trans Argentina.

Páginas: 294
Formato: 25 x 21 x 1,2 cm
ISBN: 9786588251027
Idioma: Português
Lançamento: Maio/2021

R$124,50 R$62,25

Adicionar à Lista de Desejos

Madalena Schwartz

Artista

Madalena Schwartz (Budapeste, 1921-São Paulo, 1993) emigrou duas vezes. Em 1934, órfã de mãe, foi viver com o pai na Argentina; em 1960, casada e mãe de dois filhos, mudou-se para o centro de São Paulo. Viveu na cidade até sua morte. Não reconhecia no ato de fotografar a realização de uma arte, e sim uma etapa da luta por reconhecimento que todo imigrante deve vivenciar ao chegar a um país novo. A obra da fotógrafa no acervo do IMS, com mais de 16 mil imagens, é composta por retratos de paulistanos das décadas de 1970 e 1980, além de rostos anônimos registrados em viagens pelo Norte e Nordeste do país. Algumas de suas fotos mais conhecidas são retratos de artistas plásticos, músicos e intelectuais brasileiros, como os de Sérgio Buarque de Holanda e seu filho Chico Buarque, Clarice Lispector, Jorge Amado e Carlos Drummond de Andrade.