• Nenhum item no carrinho

ZUM 18
ZUM 18 ZUM 18 ZUM 18 ZUM 18 ZUM 18 ZUM 18 ZUM 18 ZUM 18 ZUM 18 ZUM 18 ZUM 18 ZUM 18

ZUM 18

Organização: Thyago Nogueira
Projeto gráfico: Elisa von Randow
Texto: Moacir dos Anjos, João Bandeira, Zadie Smith, Marisa Mokarzel, Giselle Beiguelman, Eyal Weizman & Ines Weizman, Napo Masheane, Marta Gili, Veronica Stigger
Fotógrafo: Ventura Profana, Paulo Bruscky, Deana Lawson, Berna Reale, Sohrab Hura, Décio Pignatari, Lebohang Kganye, Ahlam Shibli, Hudinilson Jr.

Idioma: Português

Revista Zum #18

Esta edição especial de ZUM, com 200 páginas e obra inédita do artista Paulo Bruscky, reforça a importância da reflexão criteriosa e da publicação impressa. Do elenco de assuntos à seleção de papeis, do design gráfico à impressão criteriosa de cada matéria em papeis nacionais e importados, tudo foi planejado para valorizar o trabalho dos artistas e amplificar a experiência do leitor.

A revista traz onze ensaios, que tratam de temas contemporâneos, da manipulação de imagens pela política às discussões sobre gênero e raça. Em sua capa e abertura, a ZUM #18 publica o trabalho de Ventura Profana. Produzida originalmente para o Programa IMS Convida, de incentivo artístico, a obra reúne colagens com críticas sociais ao atual contexto político brasileiro.

Outro destaque da edição é o artigo de Giselle Beiguelman, que discute a popularização das deepfakes, imagens produzidas por inteligência artificial, a partir de bancos de dados. Inicialmente utilizadas em vídeos pornográficos, elas se disseminaram pela internet, sendo uma das mais armas mais “temidas das eleições presidenciais norte-americanas deste ano, capaz de colocar na boca de Donald Trump discursos de um adversário, e vice-versa”, afirma Beiguelman. Borrando as fronteiras entre realidade e ficção, as deepfakes já estão inseridas em nossa rotina, trazendo dilemas éticos e políticos.

A discussão sobre as políticas da imagem também é abordada em ensaio dos pesquisadores israelenses Eyal Weizman e Ines Weizman. Eles analisam a história das chamadas “imagens de antes e depois” - par de fotos que precedem e sucedem determinado evento - desde suas origens no século 19 até seus usos atuais, com os registros de satélites. Os autores evidenciam como essas fotografias podem ser utilizadas tanto pelos Estados, como forma de controle, quanto por organizações internacionais para a fiscalização dos direitos humanos.

A revista publica também registros de performances da artista paraense Berna Reale, acompanhados por artigo da pesquisadora Maria Mokarzel. Ela analisa como as obras de Reale evidenciam as relações de violência e controle que regem a sociedade brasileira. Suas performances instigam o “espectador, tirando-o da letargia provocada pelo fluxo incessante de imagens de violência veiculadas na mídia e presentes na vida cotidiana”, afirma Mokarzel. 

Esta edição traz ainda um ensaio sobre a produção da fotógrafa americana Deana Lawson, assinado pela escritora inglesa Zadie Smith. No artigo, Smith reflete sobre os laços ancestrais que unem as mulheres e homens negros retratados por Lawson, em lugares tão distintos quanto Porto Príncipe (Haiti), Adis Abeba (Etiópia) e Detroit (EUA). Fugindo do naturalismo, as imagens remetem a um lugar em que “a nostalgia, a fantasia e o sentimento da diáspora finalmente convergem e são satisfeitos – depois de muita andança e muita busca”.

A união entre o íntimo e o universal também está presente no ensaio fotográfico Ke Lefa Laka – A história dela, da artista sul-africana Lebohang Kganye. Na série, Kganye posa vestindo roupas de sua própria mãe, já falecida. A artista recria imagens encontradas em álbuns de família, numa homenagem à força da figura materna. As fotografias são acompanhadas por um texto da poeta Napo Masheane.

Outro destaque é a entrevista com a fotógrafa palestina Ahlam Shibli, realizada pela curadora Marta Gili. Na conversa, a artista discute sua produção, marcada por investigações sobre os conceitos de lar, resistência e trauma, numa constante reflexão sobre os limites e desafios da própria representação. “O registro fotográfico não deve objetificar e vitimizar ainda mais quem sofre a violência do Estado”, afirma a artista.

As contradições da identidade nacional são abordadas também pelo fotógrafo indiano Sohrab Hura, associado à agência Magnum. Em sua série A costa, ele registra o litoral do seu país. Entre o documental e o ficcional, as imagens evidenciam os sinais da intolerância racial, sexual e religiosa presente na Índia contemporânea.

A ZUM #18 publica ainda um trabalho inédito do artista pernambucano Paulo Bruscky. Intitulada LogicAcaso, a obra é resultado de um processo de montagem, hibridismo e experimentação gráfica, traço crucial de toda a produção do artista. Em artigo, o curador Moacyr dos Anjos comenta o trabalho, uma reunião de “cacos e ecos de lugares e tempos dispersos, de modo a criar significados que, isolados, não seriam capazes de exprimir”.

Outro grande nome da arte contemporânea brasileira, Hudinilson Jr. é tema do texto de Veronica Stigger. A escritora analisa as centenas de cadernos produzidos pelo artista ao longo de sua vida. Registros íntimos, os cadernos reúnem recortes de jornais e revistas, bulas de remédios e notas pessoais, num mosaico que reflete as pulsões eróticas de seu criador.

Este número também traz um ensaio do crítico de arte João Bandeira sobre duas fotomontagens recém-descobertas de Décio Pignatari. Produzidas nos anos 1950, antes de Pignatari consagrar-se como poeta concreto, as obras tratam do tema do “pulso do desejo em movimento”, como afirma Bandeira.

Páginas: 200
Formato: 21 x 25 cm
Coleção: ZUM
Lançamento: Julho/2020

R$57,50

Adicionar à Lista de Desejos

Thyago Nogueira

Organização

Thyago Nogueira é coordenador da área de Fotografia Contemporânea do Instituto Moreira Salles e editor da Revista ZUM.