• Nenhum item no carrinho

O estúdio fotográfico Chico Albuquerque
O estúdio fotográfico Chico Albuquerque

O estúdio fotográfico Chico Albuquerque

Fotógrafo: Chico Albuquerque

O livro reúne um portfólio variado da carreira de Chico Albuquerque (1917-2000). São 150 imagens produzidas pelo fotógrafo durante seu período de atuação profissional em São Paulo – entre 1947 e 1975 –, selecionadas a partir das principais vertentes da obra do autor: fotografia publicitária, fotografia industrial e de arquitetura, retrato de estúdio e documentação urbana. Feita em parceria com o Museu da Imagem e do Som (MIS-SP), Instituição da Secretaria de Estado da Cultura, a publicação é catálogo da exposição de mesmo nome que ficou em cartaz no MIS-SP entre abril e junho de 2013.

 


R$54,90

Adicionar à Lista de Desejos

Chico Albuquerque

Fotógrafo

Natural de Fortaleza, Francisco Afonso Albuquerque nasceu em 25 de abril de 1917. Iniciou sua carreira de fotógrafo aos 15 anos na ABA Film, empresa fundada por seu pai. Em 1934, profissionalizou-se como retratista. Transferiu-se para São Paulo em 1947, estabelecendo seu estúdio fotográfico na Avenida Rebouças, 1700. Atuou profissionalmente na capital paulista até 1975, quando retornou a Fortaleza, falecendo em sua cidade natal em 26 de dezembro de 2000. Entre as décadas de 1950 e 1970, Chico Albuquerque trabalhou intensamente com propaganda e campanhas comissionadas, atendendo clientes de setores como indústria automobilística, moda, alimentos, arquitetura e política. Paralelamente à atividade comercial, manteve seu interesse na fotografia experimental, participando do movimento conhecido como fotoclubismo, que acontecia principalmente em torno do Foto Cine Clube Bandeirante de São Paulo. Sua contribuição ao movimento moderno da fotografia paulistana nos anos 1940 e 1950 e seu pioneirismo na fotografia de publicidade no Brasil no mesmo período ainda são pouco conhecidos, pois apenas uma pequena parte de seu acervo veio a público até a presente data. O Acervo Francisco Albuquerque se encontra desde 2006 sob a guarda do Instituto Moreira Salles, que nos últimos seis anos realizou a digitalização completa das 70 mil imagens do acervo e prossegue trabalhando em sua total preservação e recuperação.