• Nenhum item no carrinho

Letizia Battaglia: Palermo
Letizia Battaglia: Palermo

Letizia Battaglia: Palermo

Fotógrafo: Letizia Battaglia
Organização: Paolo Falcone
Projeto gráfico: Luciana Facchini
Texto: Lorenzo Mammì, Paolo Falcone, Leandro Demori

O catálogo da mostra Letizia Battaglia: Palermo reúne imagens da fotógrafa italiana captadas ao longo de sua carreira. A mostra apresenta fotografias sobre a Guerra da Máfia em Palermo, especialmente nas décadas de 1970 e 1980, e também registros do cotidiano, da vida cultural e das transformações da cidade.

Em preto e branco, as imagens de Letizia contam uma parte da história de Palermo, capital da Sicília, cidade onde nasceu e que marcou profundamente toda sua obra. Letizia Battaglia sempre encarou a fotografia como instrumento de intervenção e denúncia social.

Com uma trajetória intensa, que envolve desde inúmeras coberturas jornalísticas até a atuação em cargos políticos, Letizia começou a fotografar relativamente tarde, quando tinha 36 anos. Antes disso, vivia em Palermo com as filhas e o marido, com quem se casara aos 16 anos. Em 1971, em busca de seu “direito à liberdade”, como descreve, separou-se do marido e mudou-se para Milão, onde passou a contribuir com alguns periódicos. Na nova cidade, marcada por protestos e uma intensa vida cultural, começou a fotografar e desenvolver sua poética.

Em 1974, foi convidada a retornar a Palermo para trabalhar como editora de fotografia no L´Ora, jornal, com viés de esquerda, que, “nos anos 1970, era o único a denunciar o sistema degradado e corrupto”, como explica Paolo Falcone, curador da exposição e organizador do catálogo. Nesse período, ela conhece o fotógrafo milanês Franco Zecchin, que se tornaria seu companheiro e também parceiro no L´Ora. Juntos, os dois registraram os conflitos da chamada Guerra da Máfia, que assolou a cidade, principalmente nas décadas de 1970 e 1980.

Segundo Falcone, havia, na época, “um pacto entre política e máfia, nascido no imediato pós-guerra, que foi se consolidando desde os anos 1950. A cidade estava sob controle, eles que decidiam tudo: licitações, acordos, divisões de poder, especulação imobiliária”. São fotos de denúncia e engajamento, testemunho de histórias que não podem ser esquecidas.

A publicação apresenta ainda uma série de fotografias de meninas, tiradas pela artista ao longo de sua carreira. As imagens revelam o cotidiano dessas crianças, marcadas pela pobreza e a violência, mas também pela inocência da infância.

Páginas: 220
Formato: 21 x 28 cm
ISBN: 9788583460480
Idioma: Português

R$114,50
Adicionar à Lista de Desejos

Letizia Battaglia

Fotógrafo

Nascida em março de 1935 em Palermo, Letizia Battaglia fez da cidade siciliana o objeto de sua arte. Atuou como repórter fotográfica, cobrindo principalmente o noticiário policial. Durante 30 anos, suas lentes revelaram principalmente o terror implantado pela máfia local, embora não apenas isso. Nos últimos anos, as homenagens à fotógrafa se multiplicaram, ela conquistou o prêmio Erich-Salomon Preis, em 2007, e o Cornell Capa Infinity Award, em 2009, além de ter exibido seu trabalho em instituições como o Centre Pompidou e o Palais de Tokyo de Paris. Em 2016, após anos de negociações com a administração pública, conseguiu realizar um de seus maiores projetos: a criação de um Centro Internacional de Fotografia num espaço até então abandonado nas docas de Palermo. O Centro, além de promover exposições e oficinas, abrigará o arquivo fotográfico da cidade, que já conta com doações de mais de 150 fotógrafos.

Lorenzo Mammì

Texto

Lorenzo Mammì é critico de arte e professor de filosofia medieval na Universidade de São Paulo.