• Nenhum item no carrinho

El rectángulo en La Mano
El rectángulo en La Mano

El rectángulo en La Mano

Sergio Larrain (1931-2012) é uma figura única no universo da fotografia. Fotografou o Chile, seu país natal, e o mundo pela agência Magnum, e depois isolou-se para praticar a meditação e viver uma vida ascética. El rectángulo en la mano é o primeiro de seus livros, publicado em 1963 na coleção Cadernos Brasileiros, editada por seu amigo, o poeta Thiago de Mello, à época adido cultural da embaixada brasileira. Nessa pequena publicação, com apenas 44 páginas e 17 imagens, vemos a síntese de sua visão da fotografia como revelação e poética. A câmera era seu "retângulo na mão", como dizia, e através dela Larrain enxerga o mundo com um olhar vivaz e despreocupado de convenções, privilegiando o ser humano e buscando ângulos inusitados e enquadramentos pouco comuns. 

Este livro fac-similar, envolvido por uma capa em tecido e que inclui também um texto introdutório da curadora Agnès Sire, é publicado pela editora Xavier Barral e comercializado pelo IMS no Brasil por ocasião da exposição Sergio Larrain: um retângulo na mão, em cartaz no IMS Rio até 9 de setembro de 2018 e a ser exibida no IMS Paulista em 2019.

Páginas: 53
Formato: 18,5x12,1x1cm
ISBN: 9782365112055
Idioma: Português/Espanhol
Artista: Sergio Larrain

R$98,50

Adicionar à Lista de Desejos

Artista

Sergio Larrain

Sergio Larrain nasceu em 1931 na cidade de Santiago, Chile. De uma família da alta burguesia chilena, começou a estudar engenharia florestal em Berkeley, nos EUA. Após uma viagem pela Europa e pelo Oriente Médio, decidiu atuar como fotógrafo freelance. Seu primeiro trabalho mais consistente foi para a revista O Cruzeiro Internacional, na qual publicou matérias entre 1957 e 1960. No fim da década de 1950, conheceu Henri Cartier-Bresson e se associou à famosa agência Magnum. Por volta de 1967, ao entrar em contato com as ideias de filósofos orientais, começou a se afastar da prática da fotografia e da Magnum, realizando apenas fotos e publicações isoladas. A partir de 1978, passou a viver recluso no povoado de Tulahuén, no Chile, para se dedicar à meditação.