• Nenhum item no carrinho

Choros de Garoto
Choros de Garoto

Choros de Garoto

Artista: Aníbal Augusto Sardinha, o Garoto
Organização: Jorge Mello, Henrique Gomide, Domingos Teixeira
Dando continuidade ao processo de edição e posterior publicação de partituras de grandes nomes da música popular brasileira, iniciada com obras dedicadas a Pixinguinha, o Instituto Moreira Salles, em parceria com as Edições Sesc São Paulo, lança Choros de Garoto, uma seleção de 67 partituras de choros do compositor e instrumentista virtuose Aníbal Augusto Sardinha, o Garoto (1915-1955). As partituras que compõem Choros de Garoto foram recolhidas e reescritas pelos músicos Henrique Gomide e Domingos Teixeira. O livro traz ainda um perfil biográfico do artista, escrito por Jorge Mello, que assina a organização da publicação ao lado de Gomide e Teixeira, e um prefácio assinado pelo músico Paulo Bellinati.
 
Todas as partituras tiveram revisão da equipe técnica do Instituto Moreira Salles e são apresentadas no formato melodia & cifra, o que permite que sejam reproduzidas por variadas formações instrumentais.
 
Páginas: 224
Formato: 24 x 30 cm
ISBN: 9788583460411
Idioma: Português

R$94,50

Adicionar à Lista de Desejos

Aníbal Augusto Sardinha, o Garoto

Artista

Inventor do violão-tenor, arranjador e compositor de mais de 200 obras, entre valsas, sambas, boleros e, principalmente, choros, o multi-instrumentista Garoto se consagrou na década de 1940, quando chegou a comandar dois programas na então concorrida Rádio Nacional: Garoto e Seus Mil Instrumentos e Garoto e Seus Solos. O artista também tocou ao lado de nomes como Carmen Miranda, Dorival Caymmi, Ary Barroso, Francisco Alves, Silvio Caldas, Luiz Gonzaga, Orlando Silva, Aracy de Almeida e muitos outros nomes de destaque. Integrante, entre outras, da famosa Orquestra Brasileira, sob direção de seu vizinho e parceiro em rodas de choro Radamés Gnattali, Garoto inovou o choro brasileiro ao desenvolver harmonias intrincadas e tonalidades que não existiam nos choros tradicionais, além de usar pela primeira vez uma escala de tons inteiros e incluir elementos da música norte-americana, sem com isso descaracterizar o gênero.