• Nenhum item no carrinho

Poesia marginal - Palavra e livro
Poesia marginal - Palavra e livro

Poesia marginal - Palavra e livro

Organização: Eucanaã Ferraz

Catálogo da exposição de mesmo nome, aberta no Instituto Moreira Salles do Rio de Janeiro em agosto de 2013, a publicação traz artigo de Frederico Coelho; texto do curador Eucanaã Ferraz; portfólio das obras expostas; entrevista “Poesia Hoje”, publicada em 1976, na revista José, com Heloisa Buarque de Hollanda, Ana Cristina Cesar, Geraldo Eduardo Carneiro e Eudoro Augusto; entrevista inédita com Heloisa Buarque de Hollanda e os poetas Chico Alvim, Chacal e Charles, mediada por Eucanaã Ferraz, com a participação do professor Eduardo Coelho; cronologia; e breve bibliografia.

A poesia marginal fez dos livros instrumento privilegiado. Sem muito dinheiro, os autores inventaram meios de editar suas publicações, sem depender das editoras, que eram pouco receptivas a um gênero nada comercial. Tudo começou com o mimeógrafo, na época, o principal equipamento de reprodução de textos nas escolas, que serviu ao movimento estudantil para espalhar mensagens políticas. Os poetas utilizavam estêncil; xerox; ofsete; grampos em vez de costura; envelopes e sacos em vez de encadernação; papéis de baixo preço e considerados toscos, como o Kraft;  impressão em, no máximo, duas cores; carimbos. “O livro mais barato era mais acessível e, portanto, poderia alcançar mais leitores; opunha-se de cara ao livro caro, ao objeto requintado da alta cultura, às soluções caras do esnobe mercado editorial. O livro barato era um objeto político: antiburguês”, explica o curador Eucanaã Ferraz. “Esses livros construíram uma estética singular, surpreendentemente inovadora e sofisticada. Como linguagem – basta vê-los hoje –, são, sem dúvida, ricos, porque carreiam diversos significados, espelhando graficamente seus conteúdos – o verso veloz, insolente, próximo da fala cotidiana, com o humour e a ironia vizinhos à confissão áspera ou a certa sensibilidade romanesca. Tradição literária, vanguardas, mundo pop, tudo tinha lugar”, completa. 


R$79,90
Adicionar à Lista de Desejos

Eucanaã Ferraz

Organização


Eucanaã Ferraz (Rio de Janeiro, 1961) é poeta, professor de literatura brasileira na Universidade Federal do Rio de Janeiro e autor, entre diversos outros, de Desassombro, Sentimental (livro vencedor do prêmio Portugal Telecom em 2013) e Escuta.